CINQUENTA ANOS

Há quarenta anos, vivo imaginando o viver. Ainda não construi a imagem ideal, creio que em mais quarenta anos ainda não terei conseguido.

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Perdidos


Menino atrevido
Grita bom-dia
Menino bandido
Nos chama de tia

Meninos que choram
Não têm alegria
Meninos que brincam
Adoram folia

Meninos de cores, de raças, de sonhos
São skates, são bolas, carrinhos. Carinhos?
Meninos perdidos, pequenos bisonhos

Quem são os teus guias? Quem mostra caminhos?
Quem afasta os teus medos, afasta os demônios?
Quem luta por ti? Quem te arreda os espinhos?

PARTIDA



Deixaste tua mão se libertar da minha
Por que querias essa liberdade?
Pelo amor que por ti, eu não mais tinha
Assim o disseste. Quanta inverdade!

Quanta amargura carreguei do gesto
Perversidade, sim, fizeste tu comigo
Louca, egoísta, fui, eu não contesto
Porque te ias. Tu, meu amor, meu único amigo!

Calava a dor, fazia-me de forte
Na tua presença eu me continha
Enquanto tu te entregavas a morte

 Não podia dizer que esperança tinha
Se eu afrontava Deus e lamentava a sorte
Por te perder, pelo pavor de aqui ficar sozinha.