CINQUENTA ANOS

Há quarenta anos, vivo imaginando o viver. Ainda não construi a imagem ideal, creio que em mais quarenta anos ainda não terei conseguido.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Carla&Zeca - Finitude.mp3

Arrependimento

Cadê meu céu iluminado
pelo luar? A areia, o mar,
o meu cruzeiro, cadê?

Ah! Se eu soubesse da saudade
do mormaço, do meu quintal,


da minha rede estendida
na sombra do mangueiral.

Cadê meu céu iluminado
pelo luar? A areia, o mar,
o meu cruzeiro, cadê?

Minha Maria,
toda na chita,
cabelo cheirando a juá.
Ah! Se eu soubesse,
não sairia de lá...

Encontro

Estou à beira do rio
Você a beira do mar
Rio e mar se encontram,
continuamos a vagar.

Aqui o rio tranqüilo,
aí o mar a quebrar,
minha vida, sua vida
seu penar, o meu pesar.


Singraria as águas do rio,
se você fosse uma nau,
para poder me alcançar.

Queria atravessar o rio,
Ao encontrar um vau,
no teu mar me despejar.

Abrigo

Venho de outro caminho.
venho de outro lugar.

Vim buscar na distância
o que não consegui
encontrar.


Lá fora só o vazio,
aqui, quisera me achar.

No infinito da busca,
Devaneio...
Quando irei acertar?

Finitude


O tempo
rareia,
afina
as luzes pálidas
do meu amanhecer.


Lave,
orvalho frio,
as lágrimas
e a tristeza
do meu bem querer

Seque,
ó brisa cálida,
seus olhos,
sua dor
ao entardecer.

Mar,
bom amigo,
suaviza sua alma,
traz contigo a calma,
após meu anoitecer.

Ressurgir

Ah! Encontrar
alguém para amar
Ressurgir.

Ah! Só amar
só querer renascer
Existir.

E foi assim, então
um momento de paz,
Descobrir você,
me fez reviver

Refletir...

Só me fez esquecer
o quanto eu sofri
Sem você,
meu amor,
a vida é fingir,

Pois, agora sei,
viver é sorrir, é sorrir.
Ah!

Despeito


Já me disseram
que não vais
nem sequer pretendes
voltar aqui
voltar para mim
Não me ofendes

Podes falar
até esnobar
se te faz contente
o que disseres
ou fizeres
apenas te desmente

Não encontrarás
noutro lugar
alguém como eu
que te amou
tão cegamente

Todos percebem
o quanto te ressentes
diz o que quiseres
para mim é indiferente