CINQUENTA ANOS

Há quarenta anos, vivo imaginando o viver. Ainda não construi a imagem ideal, creio que em mais quarenta anos ainda não terei conseguido.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Biltre




Da calúnia, da difamação e da injúria,
Teu prazer se alimenta,
Maior o tem,
Quando aos outros imputas, tais ofensas.
Satisfazer tua ganância,
Nisto te concentras.
Nenhuma torpeza atribui a ti, tua consciência.
Pois que seja essa a tua recompensa:
Ao morrer,
Tua alma vagar por não se sabe onde.
Ao viver,
Pois que a avidez é o teu fado,
Que tenhas hoje, o nada...
E amanhã menos que ontem!